domingo, dezembro 10, 2006

A prova de q as aparencias enganam!!!

Hj quem vos fala não é necessariamente Laurinha, e sim MonaDeia....
Melhor dizendo...ganhei este txt de Deia, e´me deu vontade de compartilhar, afinal, nunca ng me definiu e descobriu tão bem.
E mais uma vez, faltam palavras para agradecer.
Amo e ponto.


Tai. Nao revisei.
Me diz o q achou.


------



"Quem procura, acha". Eu ja disse isso uma vez no meu blog e repito mais uma vez.
Descobrir eh uma aventura e eh das minhas favoritas. Me aventuro no terreno da investigacao das letras, porque a geografica nao esta pra mim, sempre aterrorizada com a possibilidade de cortar o supercilio ou quebrar um dente, bem o dentao da frente.
Quando me mudei para o flat 1 - depois de me livrar da ideia que era ruim morar com brasileiros -, teria que me acostumar com a ideia de dividir o espaco com uma "paulista da rave". Topei pq a menina, apesar de parecer um tanto aloprada, me pareceu ter coracao, e isso eh o mais importante.
Juntando os papos, a gente sempre chega em algumas conclusoes, e na primeira semana na casa, o diagnostico era: "menina mimada, sempre teve tudo na mao, nunca trabalhou". A essa altura eu ja sabia que nao era drogada nem prostituida, mas ainda assim era uma mimada, futilzinha.
"Entao, vamos la, geek-fofoqueira, coloque o nome no google e ve o que vem". Quem sabe voce encontrara a menina-do-quarto-ao-lado sorridente na Caras ou se esbaldando numa festinha trash. E isso rendera risadas, entao maos a obra.
Pra minha surpresa fuxiqueira, num clique apenas, eu entendi tudo.
Me vi no corpo da menina tatuada e doeu. Senti naquela momento a dor que talvez ela nunca tenha sentido para marcar seu corpo. Se fosse eu a menina de dez anos que teve que encarar a ideia de morrer, eu ate agora nao teria sujado as minhas maos, nao mesmo. Ela poderia justificar qualquer loucura. Caralho, crianca nao eh feita pra morrer! E quem um dia coloca esse medo na vida de uma pequenina da a ela o livre-arbitrio de ser quem bem ela quiser. Eh como se naquele momento os ceus tivessem dado aquele ser uma carta de alforria: "Tu es livre, ame e faca o quiser". St Agostinho deve ter escrito a carta. Pois bem, a menina do quarto ao lado ainda assim nao usa seus plenos poderes inconsequentemente e arbitrariamente.
E no dia-a-dia ainda fui descobrindo que ela se doa. E se doa demais. E se entrega e faz um monte de delicadezas e grandezas so pra agradar os outros. Eu nao sei se me importaria com os outros se a carta de alforria fosse minha.
Bem, os ceus olham por ela, ah olham. Ela ate ja ganhou uma carta que veio la de cima.
Eu tenho medo da morte. Acho que ela tambem tem - e quem nao tem? Talvez so a bailarina. Mas o que eh a morte pra quem descobre que se nasce e se morre a cada dia?


***
Minha querida, essa carta eh pra voce. So quero te pedir que voce siga amando e fazendo o que quiser.
Com admiracao, amor, carinho e respeito,


Deia

Um comentário:

A metanóica disse...

lindo, lindo, lindo. e eu concordo com cada linha. afinal, também sou fã dessa laurinha...
beijos emocionados